As projeções apresentadas são frutos de um esforço contínuo de melhoramento do modelo de previsão proposto, esforço este que seguirá em curso durante a pandemia, com atualizações diárias nesta página.

Dada a natureza dinâmica do problema, é importante ressaltar que há limitações do método proposto, e que o uso dessas projeções deve ser complementado com outras informações sobre a evolução da pandemia no Brasil.

Até então, o modelo tem funcionado bem, especialmente para os horizontes muito curtos. Embora seja provável que o modelo siga performando bem, há pelo menos três razões pelas quais se pode antecipar uma piora de performance.

  • Limitação na quantidade de dados para se estimar a relação do Brasil com outros países, o que pode enviesar esta estimação.
  • Curto período amostral para diagnosticar e aprimorar o modelo com análises fora da amostra.
  • Quebras na relação estimada que piorariam temporariamente a performance do modelo enquanto ele se adapta.
  • Na medida em que a pandemia evolui, o cômputo dos dados oficiais (utilizados em nossas projeções) pode ser revisado.

Em condições normais, o modelo proposto careceria de escrutínio suficiente para sua divulgação. Entretanto, dada a dramaticidade do momento em que vivemos, acreditamos que essas previsões (frutos do nosso melhor esforço de modelagem), mesmo que imperfeitas, são úteis para o gerenciamento da crise na saúde pelas autoridades responsáveis, assim como informar o público.