Cenário em 16 de Setembro

Até o dia 16 de setembro de 2020, 187 dias após o centésimo caso de COVID-19, o número de casos confirmados de coronavírus era de 4.419.083, dos quais 84,19% já se recuperaram da doença. O número de óbitos é de 134.106, correspondendo a 3,03% dos casos confirmados. Dessa forma, 564.665 pessoas encontram-se ativamente doentes. Em relação ao total da população nacional, a contaminação é de 2,1% e os óbitos representam 0,06%.

Como mencionamos no último relatório, os novos casos por Covid-19 no país vem apresentando uma tendência de queda acentuada desde o início de agosto. De acordo com a previsão realizada no dia 15 de setembro, essa tendência deve se manter nas próximas duas semanas, com uma média 30.151 novos casos por dia, levando a 4.804.380 casos acumulados. Nos últimos dias, também foi possível observar uma estabilização no número de novas mortes diárias que deve se manter pelas próximas duas semanas. O total de mortes acumuladas deve chegar a 145.025 e a média diária será de 801 mortes.

Desde o início de maio, o número de reprodução nacional se manteve majoritariamente em declínio. Após um período de queda menos acentuada e possível estabilização entre o meio do mês de junho e o final de julho, o número de reprodução encontra-se novamente em uma queda mais acentuada. O valor atual é de 0,86. 23 estados e o distrito federal apresentam um número de reprodução inferior a 1. Rio Grande do Sul, Goiás e Santa Catarina apresentam um número entre 1 e 1,5.

Comparando os estados do Brasil, pode-se observar que São Paulo apresenta um número de casos acumulados significativamente maior que os outros estados. Com 909.428 casos confirmados, São Paulo tem mais de três vezes o número de casos que a Bahia (287.685) e quase 3,7 vezes o número de casos do Rio de Janeiro (246.182). Com relação às mortes acumuladas, o quadro é bem similar. São Paulo teve 8.157 mortes por Covid-19, aproximadamente 2,3 vezes o número de mortes registradas no Rio Grande do Sul (3.433) e quase 2,7 vezes o número em Minas Gerais (2.989). O menor número de casos foi registrado no Acre, 26.463, e o menor número de mortes, em Roraima, 611. Porém, para melhor interpretar esses dados, é necessário olharmos para a contaminação e o número de mortes com relação à população estadual. Nesse caso, os maiores índices de contaminação são encontrados no Amazonas, que teve 7,79% de sua população contaminada, seguido por Goiás (5,96%) e pelo Pará (5,47%). São Paulo, nesse caso, apresenta um dos menores índices, com 1,38%. Apesar de apresentar o menor número de óbitos acumulados, Roraima apresenta o pior índice de óbitos/ população, com 0,1009% da população tendo falecido devido à Covid-19. Atrás de Roraima estão o Rio de Janeiro, com 0,1004% e Ceará, com 0,096%.