Cenário em 8 de Setembro

No dia 3 de setembro de 2020, o Brasil ultrapassou a marca de 4 milhões de casos da Covid-19. Até o dia 8 de setembro de 2020, o número de casos confirmados é de 4.147.794, dos quais 80,9% já se recuperaram da doença. O número de óbitos é de 126.960, correspondendo a 3,06% dos casos confirmados. Em relação ao total da população nacional, a contaminação é de 1,97%, a população ativamente doente é de 0,38% e os óbitos representam 0,06%.

Esses dados se distribuem de diferentes maneiras entre as regiões do país. Em valores absolutos, o Sudeste apresenta o maior número de casos (1.442.187), seguido pelo Nordeste, Norte e Sul. O Centro-Oeste apresenta o menor número, 470.865. Vale ressaltar que no Sudeste e no Sul foram feitos 6.021.552 e 2.353.696 testes até o momento, de acordo com dados do Ministério da Saúde. Dessa forma, no Sudeste foram testadas 4,18 vezes mais pessoas do que o número de casos confirmados e no Sul, 4,93 vezes. Esse quadro é diferente nas outras regiões, que apresentam uma testagem menor, o Nordeste, 2,84x; o Norte, 2,38x e o Centro-Oeste, 2,22x.

Com relação às mortes, o Sudeste também exibe o maior número acumulado (57.089), seguido pelo Nordeste, Norte e Centro-Oeste. O Sul apresenta o menor número de óbitos, 9.755.

Ao analisarmos a incidência por 100 mil habitantes, o quadro muda significativamente e o Sudeste apresenta valores inferiores aos observamos em casos e mortes acumuladas. A incidência nacional de casos por 100 mil habitantes é de 1973,8. O Norte, Centro-Oeste e Nordeste apresentam incidências acima da média nacional, com 3048,6, 2889,3 e 2094,9, respectivamente. Já o Sul e o Sudeste apresentam valores inferiores, com 1592,2 e 1632, respectivamente.  Com relação à mortalidade por 100 mil habitantes, observa-se uma discrepância significativa entre o Sul e o restante das regiões. Com uma taxa de 32,5, o Sul apresenta uma mortalidade 46,2% menor do que a média nacional (60,4). Todas as outras regiões manifestam valores próximos à média. A única excessão é o Norte, que, com 75,6, apresenta um número 25,2% maior que o nacional.

O número de reprodução do país, que vinha caindo desde o início de agosto, apresenta uma aparente estabilização na última semana e encontra-se agora em 0.93. Além disso, de acordo com a previsão do dia 06 de setembro, os novos casos e novas mortes por Covid-19 no país devem apresentar uma desaceleração na próximas semanas.  Como mencionamos no último relatório, o número de novos casos está em queda desde o início de agosto. Apesar de ter apresentando uma leve subida na semana do dia 1 de setembro, as previsões indicam que a tendência de queda deve se manter nas próximas duas semanas, fazendo com que o número de casos acumulados chega a 4.659.865. Já as novas mortes, que vinham apresentando certa estabilidade no mês de agosto, apresentam agora uma tendência clara de queda, que também deve se manter nas próximas duas semanas, levando a um número de mortes acumuladas de 139.486.